22 maio 2014

A Grande Receita


Rigatoni com carvoezinhos de carne e sálvia


         Preparei "a grande receita" mas resolvi que só a publicaria depois que alcançasse, pelo menos, 80 por cento de aprovação numa pesquisa feita entre os meus incautos leitores. Já alcancei 9 por cento. Estou pensando em ampliar o universo da pesquisa, mas, com quem? 

0  -  0  -  0


Passados alguns dias preparei-me, como disse, para ampliar o universo da  minha  pesquisa  buscando  melhorar o índice de aprovação à minha grande receita, que só havia alcançado 9 por cento. Para meu espanto, 7 por cento haviam desaparecido, mas eu ainda continuava com 2 por cento. Não desanimei. Resolvi publicar a receita assim mesmo, sempre inspirado  naqueles cientistas geniais que acabam inventando coisas uteis porque o que estavam fazendo dava  errado. Você conhece as histórias: a descoberta da borracha para pneus, a invenção do velcro, do papelzinho de recados que cola, descola, e cola, etc.  etc.

Não sou muito de ver televisão mas disseram-me que ali são frequentes os programas de culinária que ensinam a aproveitar sobras das refeições do dia a dia para fazer pratos deliciosos. Procurei na geladeira o que havia sobrado da noite anterior. Nada de volumoso ou coisa que me permitisse efetuar grandes elaborações. Apenas um prato de carpaccio, você sabe, aquela carninha cortada com o micrótomo e que se come crua. Imaginei utilizá-lo, não como carpaccio, por natureza cru, mas como carne cozida. Picado e refogado na manteiga, adicionado de salvia, eu teria um molho para um prato de massa. Esta seria o rigatoni, uma massa curta, e eu teria, assim um prato clássico que na Itália recebe o nome de  “Alla Bergamasca”.

Piquei a carne com cuidado pois a espessura das lâminas não permitia exageros. Coloquei a manteiga para aquecer e prestei muita atenção à sua temperatura para não queimar aquelas micro partículas de carne. Tudo funcionou como podia ter sido previsto. Ao dar a primeira volta com a colher de pau minhas ricas partículas de carne haviam se transformado em ricos grânulos de carvão. Um prato singelo, de valor estético inestimável. O contraste dos pontinhos pretos envolvendo o tubo branco do rigatone era, realmente, uma coisa nova e difícil de obter. Fiquei contemplando a minha obra e cheguei à conclusão de que havia criado algo digno da cozinha molecular. Quando li o livro do Hervè This, há um par de anos,  sobre cozinha molecular,  não pensei que um dia chegaria tão perto de criar uma coisa do gênero. Eu tratei desse assunto muitas crônicas atrás em  “O sabor oculto das coisas”, creio que foi em Novembro de 2012. Não sei como as coisas evoluíram de lá pra cá.  Mas fiquei muito orgulhoso com a minha invenção.  Inventar é muito bonito. Duro é comer o fruto da invenção.

Já sei, você está dizendo que roubei o título do Paolo Sorrentino "La Grande Bellezza". Roubei mesmo. E você, já viu o filme? Não perca.






3 comentários:

  1. Li e pensei: "se eu tentar fazer algo parecido, qual será o resultado do meu intento?
    Grande abraço e continuo me deliciando com o que vc escreve. insisto: publique essas coisas...
    Abraços,

    shirley

    ResponderExcluir
  2. Hahahaha.. Vou tentar em casa!

    Ricardo

    ResponderExcluir