11 março 2011

Literatura Naif


.
Quando me deu na telha escrever memórias, pensei que poderia usar a expressão  literatura naifpara justificar os meus erros de português. Erros elementares, banais, que continuam comigo até hoje. Nem sequer lhes sei os nomes. Mas, ou eu escrevia, ou estudava gramática. Então pensei: se um pintor naif, que nunca aprendeu perspectiva geométrica, projeção, épura, poliedros e coisas assim, é  contemplado em museus e galerias, por que  alguém que rabisca escorregando  na sintaxe, nas vírgulas e na ortografia não pode ser lido? O que ele precisaria,  obviamente, era ter algo de interessante e bonito para contar. Isto a vida me tinha dado (desculpem o metinha), não precisava inventar nada, bastava contar a verdade.

Naquela época descobri um blog que se chamava “Blog do Escritor” , um blog sério, de gente competente, pois entrevistava grandes escritores. Como ele oferecia um espaço para comentários perguntei se a expressão “literatura naif” era usada e em que circunstancias. A resposta foi curta, grossa, clara, precisa e contundente: “Toda a literatura é naif”. Nem mais uma palavra.

Fui, então, aos sites de busca cuidando para não cair nas trampas de costume. Encontrei coisas  interessantes como, por exemplo, “Cervantes e a Literatura Naif”, título de  um ensaio sobre  Don Quixote, publicado na Espanha. Como também um blog em Portugal  de uma  professora  de línguas que se corresponde com escritores de outros países  - vamos chamá-los  “primitivistas”. Parei de pesquisar porque, como aconteceu com a gramática, ou pesquisava, ou escrevia.

Voltei às minhas lembranças e comecei a avaliar o que havia aprendido em matéria de arte naif. No meu tempo de Severino conheci dois pintores primitivistas que tiveram alguma projeção: Gina, em Olinda e Chico da Silva  em Fortaleza. Ambos estavam no auge da fama dentro do seu mundo. Gina expunha nas melhores galerias do Recife (vá lá, não eram muitas) e Chico acabava de voltar de uma exposição em Paris encerrada com muitos aplausos e todos os quadros vendidos. Nessa ocasião Chico da Silva foi consagrado por Andrè Malreaux, que o colocou entre os dez melhores primitivistas do mundo. Ambos caíram em desgraça junto aos “marchand”, vale dizer, junto ao mercado de arte: Gina por não cumprir os  compromissos nas exposições que programava - eu mesmo participei de um desses fiascos quando, com grande dificuldade,  em plena ditadura e com a ajuda de alguns amigos - arranjei-lhe um salão para que expusesse em São Paulo e ela não compareceu; o Chico,  por ter permitido que uma  sobrinha imitasse a sua pintura inundando as calçadas de Fortaleza de quadros a dois tostões. Com Chico no auge da fama os turistas deslumbrados se abarrotavam de galos e dragões habilmente impingidos pelos camelôs cearenses, indubitavelmente os melhores do mundo (os camelôs, não os galos).

Chico bebia muito. Misturava cerveja com uisque  Old Eight,  mistura que, descobri mais tarde, era, pelo menos para ele, alucinógena. 
Passei algumas noitadas bebendo com ele num botequim vizinho ao casebre, pouco mais que um mocambo, onde ele morava. Falava sem parar. Ouvi-lo era um deslumbramento. Ele descrevia os animais fantasmagóricos que a sua imaginação criava com o mesmo furor com que os  pintava. Ouvi-lo falar sobre a ditadura era como ler o Samba do Crioulo Doido, do Stanislaw Ponte Preta, só que dez vezes melhor.
Foi naquela época que escrevi  “A Centenária” , que era apenas  um conto e não uma memória. Mas que se tornou memória porque, inspirado numa noite que passei na cadeia, ficou soterrado durante quarenta e dois anos. Desenterrei-o por achar  que seria ele que me consagraria como escritor naif.
Bem,  amanhã começo a estudar gramática. Essa história de escritor naif  não vai colar.        

2 comentários:

  1. ...na realidade acho que o mais importante é dá o recado, transmitir a história, o sentimento ...... Não estou dizendo que a forma culta da gramática da Língua Portuguesa - por sinal dificílima, não seja elegante. Essa tal de literatura Naif prova que toda forma de arte vale a pena ☺ !

    ResponderExcluir
  2. Olá Luigi,
    Sou Patricia Alves Dias, filha da pintora Gina, e gostaria que voce esclarecesse, por favor, quanto `as razões, se bem voce conheceu a historia completa (os por quês não lembro de fato, eu era muito pequena nos anos duros da ditadura e somente lembro dos amigos que iam e nãao voltavam mais, e de ser obrigada falar em codigo no telefone…), de Gina nnao ter exposto em São Paulo…. teve a ver com a prisnao de Alves Dias meu pai, na epoca da Biena de São Paulo, quando suas obras foram por tres ediçnoes presas e ele também?
    Outro dado, porque voce diz que Gina caiu em esquecimento? Pelo contrário, depois dos anos 70, Gina teve uma larga projeção, fazendo constar suas obras em inúmeros acervos como os de Pietro Bardi, Philip Haustete, Yolanda Penteado (hoje obras na família Lafer)… somente tendo deixado de produzir com a frequenca de outrora nos anos 90 quando a começou a ter em seu corpo os reflexos da intoxicação pelas tintas óleo. mesmo assim, realizou uma serie de tres paineis sobre a presença holandesa a partir de sua perspectiva naif onde não atribui vencidos ou vencedores, dominados ou dominadores e sim um imaginário de uma Terra sem Males com flores saindo de canhões e as mulheres de Tejucupapo seduzindo os soldados holandeses…. Bem! boa sorte em sua carreira como escritor.
    Patricia Alves Dias
    Conteúdo para Infancia em Desenho Animado
    Realizadora
    Rio de Janeiro/Olinda

    ResponderExcluir