18 junho 2011

Dever de casa: Escrever

.

 “Escrever” continua atual. Depois que o Severino Mandacaru simulou um ataque de demência por achar que, devido ao que já se publicou, e se continua publicando,  não sobrariam leitores para ele, aparece no Segundo Caderno do “O Globo”,  uma coluna de Francisco Bosco com, exatamente, esse título:  Escrever.
Logo depois do destempero do Severino, a colega Mônica Noronha tratou desse tema com seriedade explicando como e por que escreve. Debatendo-se entre o prazer da escrita e as obrigações que lhe são impostas pela profissão que exerce,  Mônica dá uma importância elevada  à contraposição publicações/ leitores, resigna-se por não poder escrever tudo o que gostaria,  e encerra o assunto: “Então, que venha o possível”. Decisão sensata.
Na sua coluna  Francisco Bosco cita o filósofo  Giorgio Agamben:  Escrevemos para nos tornarmos impessoais  Bosco explica: “Segundo o filósofo, cada sujeito é formado por duas dimensões, uma pessoal, outra impessoal. A pessoal é o Eu, a consciência, a identidade; o que em nós é constituído, sabido, reconhecido. A parte impessoal é o que, “em nós supera e excede”, é o que nos revela “que nós somos mais e menos do que nós mesmos”, é uma “zona de não conhecimento” em nós mesmos”. Depois de estender-se numa  longa e detalhada interpretação das palavras do filósofo, Bosco conclui:  “Para mim, é por isso que se escreve, ou, ao menos, é por isso que escrevo: para transcender os limites tediosos neuróticos do meu ser”.
Nunca pensei que fosse tão complicado.
Severino Mandacaru, por exemplo, que só ficava neurótico quando faltava cerveja,  escrevia a seu modo – não precisava de papel – , cantando numa  praça em  Glória de Goitá:

Eu canto, eu faço verso
Eu canto até mi sguelá
Eu rimo no desafio
Acompanho no ganzá
Eu canto gloza e repente
E galope à beira mar ...

Moço distinto se chegue
Meu canto é pra si escutá
Mostre que tem coração
Ajude um pobre a cantá
Tire do bolso um trocado
E bote no meu borná ...

Severino tinha suas  razões.  A vida dura na caatinga não lhe permitia maiores elocuções.

 Creio que chegou a hora de dizer por que escrevo. E vou ser sincero:
Escrevo para me exibir. Para receber aplausos e vaias. Escrevo no centro de um palco, como um ator.  Curvo-me em agradecimentos quando me aplaudem. Cubro o rosto quando me vaiam.
Escrevo para ser lido. Fico alegre quando descubro que alguém me leu. Não são muitos:  Um colega aqui, um amigo ali, um primo, um cunhado, um sobrinho, um neto. E eu mesmo.
Escrevo porque gosto de ler. Como leitor, quero saber o que penso. Se não escrever, não posso ler-me. Leio como qualquer leitor, fora do palco. Quando gosto, rio muito e aplaudo. Quando não gosto, vaio e rasgo tudo.
Escrevo porque vivi. Não sei inventar histórias. Escrevo o que vivo.
Escrevo ... porque  gosto. E tenho papel e lápis.


8 comentários:

  1. Te achei! Te achei! Te achei!

    Como?

    Elmentar, meu caro Watson!

    ;) Hohohoho

    Joyce Figueiró

    p.s.: quase coloquei meu pseudônimo HAHAHAHAHA

    ResponderExcluir
  2. Abs Alexandre "Gomes Braga" Vicente7 de julho de 2011 00:06

    Meu grande amigo "Eduardo" Luigi. Vc matou a charada. Acabei de perceber, que tb "Escrevo para me exibir." Até porque, noves fora, zero!

    ResponderExcluir
  3. Eu tambèm gostaria de escrever, mas nao sei exprimir em letras os sentimentos sentidos, entao eles ficam sentados no cantinho do cerebro onde se escondem. Aonde? Atràs da porta ué!

    ResponderExcluir
  4. eu precisode deveres sou preofessora:debora aula de ingles me ajudem me mandem

    ResponderExcluir
  5. eu precisode deveres sou preofessora:debora aula de ingles me ajudem me mandem

    ResponderExcluir
  6. eu precisode deveres sou preofessora:debora aula de ingles me ajudem me mandem

    ResponderExcluir
  7. eu precisode deveres sou preofessora:debora aula de ingles me ajudem me mandem

    ResponderExcluir
  8. eu precisode deveres sou preofessora:debora aula de ingles me ajudem me mandem

    ResponderExcluir